​Tudo sobre plataformas vibratórias

Histórico

As primeiras aplicações de vibração para a melhoria do desempenho humano foram desenvolvidas na Grécia antiga, onde médicos utilizavam uma serra coberta de algodão como ferramenta para transmitir as vibrações mecânicas para a parte do corpo que não estava funcionando adequadamente. Entre os anos 1880 e 1890, o médico, John Harvey Kellogg estava utilizando cadeiras e plataformas vibratórias em seu hospital em Michigan. Essa modalidade era parte de sua estratégia de "wellness" para pacientes internados.
 

Logo após, na Alemanha do Leste, Dr. Biermann estava experimentando o uso das oscilações cíclicas e seus efeitos sobre o corpo humano de volta na década de sessenta (Biermann, 1960).
Na mesma época, o cientista russo, Nazarov adaptou estes estudos para a utilização no treinamento de atletas. Ele observou um aumento significativo da flexibilidade e força nos atletas que estudou após a aplicação de vibrações (Kunnemeyer & Smidtbleicher, 1997). Os russos também realizaram experimentos com o "Estímulo biomecânicos", em benefício dos seus atletas, bem como em seu Programa espacial.

 

O Instituto Espacial Russo, a Agência Espacial Europeia e a NASA estão experimentando vários tipos de Vibrações e sistemas de treinamento, com o objetivo de alcançar o máximo de benefícios do estímulo vibratório. Devido à ausência de gravidade no espaço, os astronautas e cosmonautas apresentavam atrofia muscular (musculatura) e de perda óssea, que os obriga a regressar à Terra rapidamente. Os cientistas russos experimentaram a vibração para a reabilitação após longos voos espaciais. Somente após a queda da cortina de ferro, o Ocidente pôde finalmente acessar as informações e da experiência que tinham sido recolhidas em anos anteriores.
 

Em 1996 a primeira Plataforma Vibratória para uso civil foi patenteada. Estes dispositivos permitem que o usuário desenvolva capacidades físicas, como força muscular, flexibilidade, equilíbrio, resistência, entre outros.

Conceituação
Vibração

Existem duas definições básicas para o termo “vibração”: (1) movimento alternado de um corpo sólido em relação ao seu centro de equilíbrio; e (2) movimento de característica oscilatória que se repete em torno de uma posição de referência.
A figura abaixo ilustra os diferentes tipos de vibração. As plataformas vibratórias comerciais emitem uma vibração do tipo sinusoidal.

       

Intensidade do estímulo
A intensidade da vibração é determinada através da amplitude das ondas produzidas durante o deslocamento e da frequência com que os deslocamentos ocorrem. A frequência é definida como a taxa de repetições dos deslocamentos, medida em Hertz (Hz), ou seja, ciclos por segundo. Por exemplo, se falarmos que a plataforma está vibrando a 50 Hz e 6 mm amplitude, é correto afirmar que o deslocamento de 6 mm ao redor de um ponto fixo (eixo) se repete 50 vezes em 1 seg.

Tipos de vibração

Existem 2 tipos de vibração que depende, basicamente, de como o estímulo é aplicado: direta e indireta. O treinamento em plataformas vibratórias é realizado através da exposição à vibração indireta.

Vibração direta: Os aparelhos são posicionados em contato direto com o músculo ou tendão no momento da aplicação da vibração. Favorece a aplicação de vibração em um músculo específico, porém, é muito pequena a influência que a vibração produzida por esse aparelho exerce sobre os músculo e ossos de outros segmentos.
Esta vibração aquece a musculatura, aumentando o relaxamento e a flexibilidade.

 

Drenagem – Exemplo de Vibração Direta

Vibração indireta: A exposição à vibração se dá pelo contato das extremidades distais dos segmentos corporais com o aparelho vibratório. Com isso, a vibração produzida se propaga por muitos tecidos antes de chegar aos músculos ou ossos que se pretende atingir (halteres e as plataformas).
Esta vibração ativa o fuso neuromuscular gerando contrações musculares involuntárias.

Agachamento – Exemplo de vibração indireta

Do que estamos falando?
Vibração indireta é um estímulo mecânico caracterizado por oscilação do movimento de corpo inteiro (geralmente em posição vertical).



Os efeitos da Vibração dependem dos parâmetros utilizados durante o treinamento:

Amplitude (mm ou cm) = altura de deslocamento vertical
Frequência (Hz) = número de impulsos por segundo
Magnitude (G) = aceleração força/potência do movimento
Duração (seg. ou min.) = soma total de tempo gasto

Função do treinamento vibratório

O treinamento em plataformas vibratórias é um estímulo mecânico caracterizado por oscilação do movimento de corpo inteiro (geralmente em posição vertical). Como vimos anteriormente, os efeitos do treinamento vibratório dependem de alguns parâmetros utilizados durante o treinamento como: amplitude (mm), frequência (Hz) e duração do estímulo (seg. ou min.).
Existem diversos dispositivos comerciais no mercado, cada um com sua particularidade. Geralmente, o treinamento em plataformas vibratórias é utilizado para os seguintes casos:

Indicações
• Emagrecimento
• Melhora da força muscular
• Melhora Equilíbrio
• Redução de gordura localizada
• Osteoporose/osteopenia
• Diabetes
• Instabilidades posturais



Contraindicações (não podem fazer)

• Menores de 14 anos
• Gravidez;
• Trombose ou suspeita;
• Artrose avançada, principalmente com dor nos pés ou joelhos;
• Suturas recentes, com risco de sangramento;
• Portadores de marca-passo cardíaco;
• Problemas articulares que produzam dor durante os exercícios;
• Inflamação ou infecção aguda (febre);
• Enxaqueca (durante as crises);
• Epilepsia.

 

Cuidados especiais (pedem fazer com atestado médico para trabalho na PV)
• Trombose normalizada
• Doenças cardiovasculares (hipertensão)
• Artrose
• Implante/prótese nos pés, joelhos e/ou quadril.
• Problemas articulares que não produzam dor durante a execução dos exercícios

 

Benefícios do treinamento vibratório
Diversos estudos científicos são realizados mundo a fora para melhor elucidar os diversos benefícios do treinamento vibratório. Para a elaboração desta apostila foi realizado um revisão da literatura internacional e selecionado alguns estudos de excelente qualidade com o intuito de resumir a informação e características do treinamento vibratório. Essas informações serão organizadas pontualmente logo abaixo. 

 

• O treinamento vibratório proporciona maior consumo de oxigênio e, consequentemente, maior gasto calórico durante e após o exercício, quando comparado ao treinamento convencional;
• A percepção subjetiva de esforço é maior durante o treinamento vibratório, quando comparado ao treinamento convencional;
• O treinamento vibratório proporciona incremento de força isométrica e dinâmica em magnitude similar ao treinamento resistido convencional (musculação). Porém, um estudo mostrou que na potência muscular o treinamento vibratório foi superior.
• O treinamento vibratório (vibração direta) apresentou benefícios agudos e crônicos no aumento da flexibilidade de jovens atletas. Outros estudos mostraram aumento da flexibilidade apenas com o treinamento de fortalecimento muscular, sem os treinos específicos com exercícios de alongamento.
• O treinamento vibratório proporciona aumento significativo nas concentrações de testosterona e hormônio do crescimento e redução do cortisol.
• O treinamento vibratório proporciona incrementos na capacidade funcional de indivíduos idosos, melhorando a velocidade da caminhada em 15%, aumentando a largura da passada em 6,5% e melhorando o equilíbrio em 65%.
• A exposição crônica ao treinamento vibratório (8 meses) proporciona aumento de 4% na densidade mineral óssea de indivíduos idosos.

Prescrição de exercícios na plataforma vibratória para grupos especiais

Uma grande proporção dos indivíduos apresenta alguma particularidade ou caso específico de saúde. Assim, a prescrição e orientação de exercícios em plataformas vibratórias precisam sofrer algumas modificações quando comparada a prescrição para indivíduos aparentemente saudáveis. Em seguida veremos, de maneira pontual, as características principais, indicações, contraindicações e os possíveis benefícios do treinamento vibratório para indivíduos com sobrepeso/obesidade, hipertensão, diabetes e terceira idade.

Sobrepeso/obesidade

Características
• 46,7% da população de Curitiba apresenta excesso de peso;
• O excesso de peso está relacionado ao aparecimento de diversas doenças (hipertensão, distúrbios alimentares, doenças cardiovasculares e AVC, diabetes, distúrbio do sono e humor, câncer, dislipidemias, osteoartrite, etc.);
• Para emagrecimento é importante atingir o equilíbrio calórico negativo;
• A prática de atividade física apresenta diversos benefícios no processo de emagrecimento (redução do apetite, maior oxidação de gorduras, aumento da taxa metabólica de repouso, maior ativação do sistema nervoso simpático, entre outros).
• Os fatores genéticos apresentam uma importante influência na composição corporal que os indivíduos apresentam (até 76%). Assim, mesmo o aluno praticando exercícios e se alimentando adequadamente pode ficar muito difícil o processo de emagrecimento.
• Indivíduos obesos são fisicamente inativos, apresentam baixo nível de aptidão física e força reduzida em membros superiores;
• Também, são pessoas com distúrbios de autoimagem e depressivos. Assim, necessitam de atenção redobrada.

Indicações
• Normalmente o indivíduo obeso apresenta outras doenças associadas. Às vezes é necessário um acompanhamento medido;
• É preciso melhorar os componentes da aptidão física relacionada à saúde (força/resistência muscular, composição corporal, aptidão cardiorrespiratória e flexibilidade);
• Os indivíduos precisam aumentar os níveis de atividade física diária;
• Deve-se respeitar uma progressão lenta e gradual nos exercícios aeróbios e resistidos;
• Mudança nos hábitos alimentares (encaminhar para nutricionista);
• A mudança no estilo de vida é essencial;
• O treinamento vibratório é capaz de proporcionar redução do percentual de gordura e medidas corporais;
• Os benefícios do treinamento vibratório podem ser aprimorados pela complementação de atividades aeróbias;
• O reforço positivo com suporte psicológico é muito importante;
• Deve-se evitar comentários sobre a forma física do aluno.

Contraindicações
• Evitar atividades de alto impacto (maior risco de lesão);
• Evitar atividades com sustentação do peso corporal por muito tempo;

Benefícios do treinamento vibratório
• Estudos científicos mostram que o treinamento vibratório proporciona maior gasto calórico durante e após a realização do exercício, quando comparado ao treinamento resistido convencional.
• Foi verificado diminuição do percentual de gordura e aumento de massa magra após 8 meses de treinamento vibratório regular.

Hipertensão

Características
• O diagnóstico de hipertensão deve ser realizado pelo médico. Contudo, é recomendado que o profissional de educação física monitore seus alunos com o intuito de identificar os indivíduos com a pressão arterial alterada;
• A prevalência de hipertensão arterial é de 21% em Curitiba, mas pode chegar em 44% em outras cidades brasileiras;
• É classificado como hipertenso todo o indivíduo que apresentar a pressão arterial sistólica acima de 140 mmHg ou a pressão diastólica acima de 90 mmHg (em repouso) medidas pelo menos em 3 situações independentes;
• O risco de mortalidade por doenças cardiovasculares aumenta progressivamente com a pressão arterial acima de 115/75 mmHg.
• Os fatores genéticos apresentam uma importante influência nos valores da pressão arterial (até 68%). Assim, mesmo o aluno praticando exercícios e se alimentando adequadamente pode ficar muito difícil o controle da pressão arterial;
• Indivíduos hipertensos geralmente são obesos, fisicamente inativos e apresentam baixo nível de aptidão física (verificar as características dos indivíduos obesos);

Indicações
• A mudança no estilo de vida é recomendada para aqueles que desejam prevenir, tratar e controlar a doença e a prática do exercício físico é de fundamental importância;
• O indivíduo hipertenso deve apresentar liberação médica para exercícios vigorosos;
• Se a pressão arterial estiver >150/100 mmHg o exercício deve ser realizado após intervenção farmacológica;
• Indivíduos hipertensos devem ser encorajados a praticarem exercícios aeróbios para um melhor controle da pressão arterial;
• É necessário avaliar e identificar outros fatores de risco (ex: obesidade, dislipidemia);
• O medicamento deve ser administrado no horário habitual e é preciso seguir a recomendação médica;
• Monitorar a pressão arterial para controlar uma possível resposta exagerada (mais comum em atividades aeróbias);
• Caso a pressão arterial sistólica ou diastólica atingir, >220 ou >105 mmHg, respectivamente deve cessar atividade (mais comum em atividades aeróbias);
• Não realizar exercício se pressão arterial sistólica ou diastólica estiver maior que 200 ou 110 mmhg, respectivamente.
• Os β-bloqueadores atenuam as respostas cardiovasculares. Assim, possivelmente durante o exercício aeróbio a frequência cardíaca do aluno não vai se elevar normalmente;
• Os medicamentos podem provocar hipotensão aguda pós-esforço. Assim, é necessário um período gradual de volta à calma pós-exercício;

Contraindicações
• Evitar manobra de Valsalva;
• Evitar exercícios isométricos;
• Evitar exercícios com cargas elevadas, com grande número de repetições e baixa velocidade de execução do movimento;
• Evitar exercícios de inversão corporal (cabeça para baixo) por dificultar o retorno venoso;

Benefícios do treinamento vibratório
• Até o presente momento, não existem estudos científicos sobre os benefícios do treinamento vibratório para indivíduos hipertensos. Contudo, existem estudos mostrando as respostas da pressão arterial após o treinamento vibratório em indivíduos normotensos.
• De uma maneira geral o comportamento da pressão arterial durante o treinamento vibratório se assemelha ao treinamento resistido convencional. As respostas cardiovasculares são inferiores quando comparado ao exercício aeróbio e, portanto, seguras do ponto de vista de stress cardiovascular.
• Após a execução do treinamento vibratório, tanto a pressão arterial sistólica quando a diastólica retorna rapidamente aos seus valores de repouso.
• Assim, o treinamento com vibração pode ser realizado por indivíduos hipertensos.

Diabetes

Características
• A prevalência de diabetes é de 5% em Curitiba, entretanto, pela dificuldade no diagnóstico, estima-se que esses valores possam ser o dobro;
• Existem, basicamente, 2 tipos de diabetes: tipo l e tipo ll;
• A mais comum é a do tipo ll (não insulino dependente) e está associada à obesidade;
• Diabetes: concentração de glicose em jejum acima de 126 mg/dL
• Dentre outras consequências, a diabetes ocasiona neuropatia em órgãos autônomos, hipertensão, nefropatia, doença arterial coronariana, neuropatia periférica (diminuição da sensibilidade), doença vascular periferia, retinopatia, doença cérebro vascular;
• Para o controle da doença o objetivo é o nível da glicemia;
• O tratamento envolve modificações nos hábitos alimentares, medicamento, prática de atividade física e mudança no estilo de vida;

Indicações
• Para a prática de exercícios existe a necessidade de exame médico detalhado dos sistemas cardiovascular, nervoso, renal e visual;
• O indivíduo diabético deve ter liberação médica e acompanhamento nutricional para maior segurança antes, durante e depois da realização de exercícios;
• A hipoglicemia é o problema mais comum associado ao exercício.
• Manter o controle glicêmico antes de iniciar o programa de exercícios (evitar quadros de hipo e hiperglicemia);
• Realizar exercícios com parceiros ou com supervisão para reduzir o risco de problemas associados a eventos hipoglicêmicos;
• Monitorar a glicose antes, durante e após o exercício. Especialmente ao iniciar ou alterar o programa de exercícios;
• Hipoglicemia pode ocorrer em até 48 horas após o exercício, especialmente com o início ou alteração do programa;
• Evitar atividade física se a glicose em jejum for >250 mg/dL.
• Ingestão de carboidratos ou aplicação de insulina antes de exercitar-se com base na glicose sanguínea e na intensidade do exercício para evitar hipoglicemia.
• Ingerir 20-30g de carboidratos se a glicose pré-exercício for <100 mg/dL.
• Para reduzir o risco de hipoglicemia evitar a injeção de insulina nos membros que irão ser exercitados (região abdominal).
• Ao exercitar-se no final da tarde, poderá ser necessário um maior consumo de carboidratos para minimizar o risco de hipoglicemia noturna.
• É preciso ficar atendo aos sinais e sintomas característicos de hipoglicemia (sonolência, desmaio ou sensação, sudorese fria, vertigem, tontura, irritabilidade, marcha oscilante, apatia, perda de consciência, dificuldades na fala, confusão mental) e hiperglicemia (fraqueza, vômitos, boca seca, dor abdominal, hálito cetônico, etc.).
• A hiperglicemia durante o exercício apresenta os seguintes riscos para indivíduos sem controle glicêmico
• Lesões vasculares diversas como: comprometimento dos vasos sanguíneos capilares, por nefropatia e retinopatia (microangiopatia), comprometimento dos vasos arteriais por deficiência circulatória no cérebro, coração e membros inferiores (macroangiopatia), alterações na visão, dificuldade de visão diurna, pressão ou dor sobre os olhos ou hipersensibilidade à luz (retinopatia), formigamentos, impotência sexual, alterações digestivas, urinárias e/ou circulatórias, ressecamento da pele, lesões ulcerosas nos pés e pernas (neuropatia) e nefropatia.

Contraindicações
• Indivíduos com retinopatia devem evitar exercícios que induzem a elevação da pressão arterial, pois pode elevar o risco de descolamento da retina e hemorragia do vítreo. Também, devem evitar atividades extenuantes, a manobra de valsalva e atividades com pancadas ou vibrações;
• Indivíduos com neuropatia periférica apresentam anormalidades no equilíbrio e da marcha por causa da ulceração e fratura no pé. Tomar os devidos cuidados para prevenir ulcerações. Limitar o exercício com sustentação do peso corporal para indivíduos com neuropatia periférica significativa. Utilização de palmilhas (diminuição do impacto), meias de poliéster para manter os pés secos e prevenir bolhas. Evitar corrida, step, trilhas e caminhadas prolongadas;
• Nos casos de neuropatia periférica (com feridas nos pés) não executar exercícios na plataforma, pois o quadro de sangramento pode piorar.

Benefícios do treinamento vibratório

• Estudos científicos mostram que o treinamento vibratório proporciona redução dos níveis glicêmicos após 3 meses de realização dos exercícios. Esse comportamento é similar ao encontrado no grupo que realizou treinamento resistido convencional.
• Assim, sugere-se que o treinamento em plataformas vibratórias pode ser uma alternativa para indivíduos que pretendem praticar atividade física.

Terceira idade

Características
O envelhecimento é um processo contínuo, onde ocorre o declínio progressivo de todos os processos fisiológicos;
• É um conjunto de eventos fisiológicos que diminuem a capacidade orgânica;
• A inatividade física intensifica as modificações nos diversos sistemas;
• A redução funcional em indivíduos idosos se dá pela redução da capacidade fisiológica somado a aparecimento de doenças crônicas;
• Existem grandes alterações no sistema cardiovascular, respiratório e musculoesquelético;
• O sistema musculoesquelético evidencia uma redução na força muscular, perda de unidades motoras funcionais e hipotrofia muscular;
• Contudo, indivíduos com altos níveis de atividade física apresentam menor perda funcional (50- 60%).
• Geralmente os indivíduos idosos são fisicamente inativos e apresentam baixo nível de aptidão física geral com níveis reduzidos de força;
• Os idosos apresentam isolamento social, são depressivos e por isso necessitam de atenção redobrada.

Indicações
• É importante avaliar outras comorbidades associadas ao processo de envelhecimento. Pessoas idosas apresentam maior probabilidade de possuir sobrepeso/obesidade, hipertensão, diabetes e outras doenças cardiovasculares. Assim devem-se consultar os tópicos supracitados;
• É importante o acompanhamento médico e nutricional;
• Melhorar os componentes da aptidão física relacionada à saúde;
• O idoso deve ser submetido a uma progressão lenta e gradual;
• Deve-se incentivar o aumento dos níveis de atividade física em geral;
• O treinamento vibratório deve ser complementado com outras atividades, como por exemplo, treinamento de força, hidroginástica, alongamento, etc.;
• O reforço positivo é muito importante;
• Pessoas idosas adoram conversar e merecem atenção redobrada.

Contraindicações
• As maiores contraindicações referem-se ao acometimento de doenças cardiovasculares em geral;
• Também, muitos idosos apresentam uma baixa capacidade funcional o que limita a capacidade para o exercício;
• Os exercícios prescritos e realizados devem ser básicos, de fácil execução e visar o aumento da força, equilíbrio e flexibilidade.


Benefícios do treinamento vibratório
• Estudos científicos mostram que o treinamento vibratório proporciona melhoras significativas na capacidade funcional de idosos. Foi verificado aumento da velocidade de caminhada (-14,9%), largura do passo (+6,5%) e equilíbrio (+65%) de idosos submetidos ao treinamento vibratório.

9.5 Problemas articulares ou musculares

Características
Problemas articulares são muito comuns entre nossos clientes, podem ser desencadeados por lesões agudas geradas por algum acidente, má postura, esforços repetitivos ou mesmo por má formação.
• Dores articulares geram grande incômodo, muitas vezes interferindo nas atividades diárias;
• Dependendo do caso as dores podem ocasionar inatividade física ocasionando outros problemas relacionados.
• Dores articulares podem estar relacionados à inflamação articular, a manutenção deste quadro pode gerar um quadro crônico;
• Muitas vezes dores articulares podem ser desencadeadas por encurtamentos, desequilíbrios ou fraqueza muscular;

Indicações
• A prática de exercícios físicos é muito importante entre indivíduos com problemas articulares, principalmente quando este quadro é relacionado a encurtamentos, desequilíbrios ou fraqueza muscular;
• Nunca execute exercícios que provoquem ou aumentem o quadro de dor;
• Caso o aluno apresente dor, diminua a amplitude de movimento e a carga. Caso a dor persista, por menor que seja, interrompa a atividade imediatamente.
• No circuito, caso seja apenas um exercício que provoque dor, o aluno deverá ser orientado para pular esta estação.


Contraindicações
• Indivíduos com dor crônica sem atestado médico;
• Indivíduos de sintam dor durante a execução dos exercícios, mesmo com redução da amplitude ou da carga.

Benefícios do treinamento vibratório
• O trabalho vibratório promove aumento comprovado na vascularização, flexibilidade e força muscular, ou seja, em muitos casos a execução de exercícios com a utilização deste recurso pode favorecer a melhora do quadro dos alunos.



Para maiores informações visite: http://vibeclass.com.br/

Curta e fique por dentro de todas as novidades!

MELHORES aparelhos p/ exercícios da China no AliExpress

Qual é a idade ideal para começar a malhar? Musculação para crianças e adolescentes!

Existe diferença entre Homens e Mulheres? Quem emagrece mais rápido?

1/8
Please reload

personal em Curitiba, Personal Trainer Curitiba